Lidere com pessoas, processos e estratégia

A base do conceito de liderança é muito mais ampla que a rotina de gerenciamento de equipes ou pessoas – aliás, que por si só já é desafiadora e complexa. Quando buscamos compreender um processo de liderança em quaisquer modelos de organizações, precisamos ter em mente que a base do processo de gestão é formada por pessoas, processos e estratégia. E você, gestor ou líder, ou torna-se expert na construção e manutenção desses três pilares ou busca alguém que seja para estar ao seu lado.

O assunto de hoje é a gestão das pessoas. Gerir pessoas é uma arte! De forma muito simples, conceitualmente falando, a gestão de pessoas nas empresas resume-se ao conjunto de habilidades e estratégias que os responsáveis pelo processo precisam ter para gerenciar suas equipes ou colaboradores.

O primeiro passo para compreender a importância da gestão de pessoas é compreender que vivemos continuamente em um mundo incerto, onde a cada minuto surgem mudanças das mais variadas que influenciam todo o contexto, principalmente no relacionamento entre as pessoas e a forma como elas lidam com problemas e soluções.

E neste novo cenário, liderar é saber comunicar com assertividade, buscando a melhoria constante da comunicação interna, aprendendo a utilizar o feedback e o feedforward para corrigir rotas e para direcionar as pessoas, além de buscar o engajamento dos colaboradores para que os interesses coletivos estejam sempre acima dos interesses individuais.

Além disso, temos que compreender que gerenciamos simultaneamente várias gerações ao mesmo tempo e que cada uma, no seu tempo, foi formada dentro de princípios e padrões de comportamento diferentes, onde muitas vezes existem os choques culturais que precisam ser administrados com maestria, ou seja, as situações de conflito existentes em todo o ambiente.

Que maratona! Mas não acabou ainda. Outro aspecto importante na gestão de pessoas, tão importante quanto os já citados, é que ela trabalha as pessoas para a melhoria dos resultados, partindo do entendimento de que cada indivíduo tem suas particularidades, suas motivações, ou seja, atualmente este processo de gestão é algo bastante personalizado, diferentemente da metodologia de gestão do passado em que imperava a cadeia de comando “eu mando, você obedece”. Gerir pessoas nas organizações é compreender que é necessário mergulhar de cabeça no processo para desenvolver o capital humano, além do trabalho de construção de políticas voltadas a atração e retenção de talentos.

Quando falamos em gestão de pessoas ou na ampliação da nossa capacidade de gerenciá-las, precisamos compreender que a mudança começa sempre em nós, para depois levá-la para o outro. E dentro desse contexto, há uma série de competências que um gestor ou líder que queira buscar a elevação da performance dos seus colaboradores e da sua equipe precisa desenvolver (escute o Podcast abaixo).

Enfim, vivemos um momento em que o fator ‘tecnologia’ entra cada vez mais forte na vida das pessoas, colocando as relações virtuais no mesmo patamar de uma relação presencial. Existem aspectos positivos e aspectos negativos nesse processo, porém isso interfere ainda mais na maneira como as pessoas se relacionam.

O ‘olho no olho’ está perdendo cada vez mais espaço para este novo modelo de interação, mas isso não significa que a gestão foi facilitada neste processo. Na realidade, continuamente o gestor precisa ampliar a sua base de conhecimentos e buscar sabedoria para lidar com todas estas novas necessidades, partindo do princípio de que o primeiro pilar de sustentação da sua empresa são os colaboradores.

No próximo artigo, falaremos sobre a gestão dos processos, aguarde!

 

Autor do post: Uilker Benkendorf, consultor de gestão da Florença Empresarial





Você gostou? Compartilhe com seus amigos