Planejar é uma arte!

Planejamento nenhum é capaz de resistir a tantas mudanças e incertezas. Concorda? Você pode até concordar, mas isso não pode servir de desculpa para não planejar. Isso mesmo! As intempéries da vida empresarial, social, econômica, política e pessoal não podem ser a pedra de tropeço que inviabiliza esse exercício. Colocar no papel reflexões e possibilidades é fundamental para qualquer empresa, independente do tempo.

E falando em tempo, saiba que entramos no segundo semestre com três missões importantes:    

  1. Para algumas empresas, dar continuidade ao avanço do crescimento das vendas e consequentemente dos lucros, revendo as estratégias para a perpetuação do negócio.
  2. Para outras, criar alternativas para potencializar os resultados, tentando minimizar os impactos da retração do primeiro semestre.
  3. Para todas, repensar e planejar o ano de 2021, já que este ano vai deixar um legado de grandes mudanças.

Diante disso, digamos que você tenha o seguinte pensamento: “Mas, se eu não tenho tempo nem para respirar, como colocar este exercício sobre a mesa?”

Lamento informar, mas planejamento precisa ser um hábito na vida dos gestores e líderes das empresas, e como sabemos, um hábito é formado somente quando você começa a fazer algo rotineiramente. Isso não nasce como mágica, portanto é necessário que primeiro você compreenda a necessidade, e depois passe a exercitá-lo. E o mais importante: um gestor ou um líder precisa ser especialista em planejamento. É o básico!

Ao realizar um planejamento, as empresas têm muito mais chances de alcançar seus objetivos. Por outro lado, se não usarem esse recurso, a chance de insucesso é muito grande. Isso porque o planejamento serve como uma bússola, um mapa que deve ser utilizado o tempo todo para chegar ao objetivo desejado.

Da mesma forma, planejamento é sinônimo de organização, de tranquilidade e boas noites de sono, afinal quando você se antecipa há a redução do estresse, da irritação e da ansiedade. 

Mas o que é necessário para planejar bem? Vamos aos passos básicos desse processo:

  1. Defina objetivos, estratégias e metas:
    1. Objetivos: o que se deseja alcançar.
    2. Estratégias: como alcançar quais ações serão realizadas.
    3. Metas: definir prazos e responsáveis.
  2. Planeje as ações: defina planos de ação detalhados: o quê, quem, quando, quanto custa.
  3. Planejar não é um trabalho solitário: Um bom líder ou gestor deve planejar em conjunto com seu time. Descentralize o processo de planejamento, pois o mais importante é saber comunicar os porquês.
  4. Saiba levantar os riscos: processo de revisão do planejamento.
  5. Saiba como comunicar o planejamento: tenha certeza que ficou claro para a equipe e que será executado. Note o comportamento da equipe e trabalhe o envolvimento de todos.
  6. Faça o monitoramento: Utilize cronogramas para avaliar o andamento dos planos de ação. Faça reuniões periódicas. Alinhamento constante é fundamental.
  7. Avalie os resultados: Avalie o resultado de cada ação executada e se o objetivo foi alcançado. A avaliação é importante para melhorar sempre. Compare o planejado com os resultados alcançados, os sucessos e os problemas com a equipe.

Agora que saímos do básico, vamos ao avançado?

Analisando o seu negócio e a realidade prevista para os próximos meses você precisa se atentar a três fatores importantíssimos:

  1. Se sua empresa está inserida no regime de tributação do Simples Nacional, ela terminará o ano dentro do limite previsto? Se não, quais serão os impactos de uma mudança tributária para os preços, para o cumprimento das exigências legais e consequentemente para a operação? Isso não se resume a empresas inseridas neste regime de tributação, mas também a empresas que estão inseridas nos regimes de tributação do Lucro Presumido e Real. Você faz trabalha o planejamento tributário da sua empresa anualmente?
  2. Você tem o habito de simular a realidade econômico financeira de sua empresa para o semestre ou para o ano seguinte? Isso chama-se de planejamento orçamentário ou orçamento. A construção de um DRE (Demonstrativo de Resultado do Exercício) projetado trará informações preciosas para que você possa tomar decisões importantes para a operação em todos os aspectos – pessoas, processos e estratégia.
  3. Você planeja as ações de sua empresa para o próximo ano, considerando a missão, visão e valores da sua empresa, envolvendo todos os profissionais considerados estratégicos para o negócio? Você conhece os pontos fracos, fortes, ameaças e oportunidades? Você determina os objetivos, metas e indicadores estratégicos para sua empresa? Isso é chamado de Planejamento Estratégico.

Se você respondeu ‘não’ para os três modelos de planejamento acima, isso indica que você está com os pensamentos e ações no presente e não no futuro. Portanto é hora de reavaliar seu modelo de gestão, pensando também no médio prazo. Como diz o provérbio chinês: “Se quiser derrubar uma árvore na metade do tempo, passe o dobro do tempo amolando o machado”, ou seja, se você quiser reduzir o desgaste com situações não previstas no futuro e ter mais assertividade na conquista dos seus objetivos faça o dever de casa, planejando o futuro.

Autor do post: Uilker Benkendorf, consultor de gestão da Florença





Você gostou? Compartilhe com seus amigos